Blog

Como mapear o público-alvo para aumentar o engajamento

No meu primeiro post aqui na Mobiliza, quero abordar um assunto bem importante no universo corporativo: público-alvo. Quem é o seu público? O que ele faz, onde vive, o que consome?

Brincadeira à parte, responder essas (e outras) perguntas pode ajudar você a melhorar o engajamento dos seus colaboradores nos treinamentos e, consequentemente, melhorar a performance da sua empresa.

Vem comigo que, além de mostrar as vantagens, vou ajudar você a definir o seu público.

1 – Por que preciso mapear o meu público-alvo?

Antes de iniciarqualquer treinamento, você precisa ainda na parte de planejamento, saber pra quem você está comunicando, ou seja, quem vai fazer o curso?

Mapear o público no momento de planejamento pode ajudar você:

  • No direcionamento dos conteúdos a serem produzidos
  • No estilo de linguagem que você vai utilizar
  • Na definição do formato do curso
  • Nos recursos interativos que podem ser utilizados
  • E até na estrutura ou tecnologia que você vai precisar

Vamos supor que você tenha uma equipe de 100 pessoas que precisa aprender sobre aplicação de taxas e juros. Se ao mapear o público você perceba que essas pessoas são mais jovens, que a maioria gosta de assistir séries ou viajar, que elas não têm nenhuma familiaridade com termos técnicos, e que passam a maior parte do tempo no celular.? Como você criaria o conteúdo para esse público?

Talvez você opte por fazer um curso com uma linguagem menos rebuscada, ao invés de usar temos totalmente técnicos, ou utilize algum personagem que remeta à uma série famosa. Como eles passam muito tempo no celular, que tal construir seu conteúdo adaptado para o mobile?

O exemplo acima é só alguns dos insights que você pode ter quando tem um público-alvo definido.

Viu como estruturar o conteúdo pode ficar mais fácil?

2 – Como eu posso mapear o meu público?

Uma forma bem interessante de fazer o mapeamento é através de pesquisa. Liste tudo que você precisa saber sobre o seu público (sexo, idade, interesses) e peça para que eles respondam. Pode ser algo bem simples, como um formulário no Google docs, por exemplo.

Se o treinamento for interno, com seus colaboradores, muitas informações você pode tirar do seu banco de dados. O que já facilita bastante o mapeamento.

Perguntas que podem ajudar você a construir a sua pesquisa:

  • Onde o seu público vive? (bairro, cidade, estado)
  • O que gosta de fazer nas horas vagas?
  • Qual a área de atuação?
  • Qual o nível de instrução?
  • Quais obstáculos vivenciam no dia a dia, dentro e fora do trabalho?
  • Como prefere consumir informação (tablet/computador/celular)?

A ideia é obter o máximo de informações possíveis. Quanto mais informação, mais fácil e direta a comunicação. Lembre-se de que é uma pesquisa, não um interrogatório. Então o bom senso é importante aqui 🙂

Se você já faz treinamentos online com frequência e seus conteúdos comunicam-se via scorm com sua plataforma de distribuição, provavelmente você já tem mapeado algumas informações bem interessantes que podem te ajudar a compor o perfil do seu público-alvo. Falamos sobre esses dados neste post aqui,vale dar uma olhada também.

3 – Tenho o público mapeado, e agora?

Um conceito mais conhecido por profissionais de marketing, é a persona. A persona seria o modelo ideal do público-alvo. Muito utilizado por profissionais de comunicação para compreender melhor e personificar um público. Basicamente você cria um “personagem” com base no conhecimento que você e os profissionais que convivem com ele, têm. É como se você desse vida ao seu público, definindo um nome, uma imagem, e determinando suas características.

A diferença entre persona e público-alvo é que enquanto no público eu tenho informações mais abrangentes (sexo, idade, escolaridade), na persona eu tenho, literalmente, uma pessoa (fulano tem 30 anos e é analista no departamento x…).

Tem uma ferramenta bem legal que já traz as perguntas pré-definidas para você criar a sua persona, mas lembre-se que antes você precisa ter o seu público-alvo bem definido para poder responder às perguntas. Para conhecer e testar, clique aqui!

Obs: Quando você tem públicos diferentes, você pode criar diferentes personas e definir a comunicação de acordo com o público que você deseja engajar.

Depois de criar suas personas, é legal expor a sua criação. Você pode imprimir e colar na parede, ou em algum lugar que você possa visualizar sempre. Assim, fica mais fácil lembrar para quem você está comunicando.

Fazemos isso aqui na Mobiliza, e ajuda bastante!

 

Conclusão

É muito mais fácil criar um treinamento quando a gente sabe quem vai estudá-lo. No post de hoje você viu as vantagens de mapear o público-alvo. Entre elas estão o direcionamento dos conteúdos a serem produzidos, o estilo de linguagem que você vai utilizar e definição do formato do curso.

Também mostramos como fazer o mapeamento, quais questionamentos são necessários e como uma pesquisa pode ajudar a levantar essas informações. Por último, vimos como transformar o público em persona, apresentando como fazemos aqui na Mobiliza.

Para concluir, gostaria de relembrar que mapear o público-alvo é importantíssimo se você quer melhorar o engajamento. Afinal, você vai falar a língua do seu público, sendo muito mais fácil atraí-lo para o curso e garantir com que ele conclua o treinamento.

educacao-corporativa

 

Sobre o autor

Renata Sagaz

Sagitariana com ascendente em capricórnio apaixonada por séries, gatos e sushi, não necessariamente nessa ordem. Fascinada por novas experiências, é publicitária e trabalha no marketing da Mobiliza.

Se você gostou deste, pode gostar também...

ROI em T&D: Como analisar resultados pode fazer a sua área crescer
As 4 perguntas mais comuns sobre treinamento em vídeo
Os conteúdos sobre T&D mais lidos em 2018

O que achou? Comente aqui :)

Comentário enviado para moderação!

Erro ao enviar a mensagem, tente novamente!