Um tema recorrente das conversas sobre treinamento online é sobre a necessidade do LMS para criar uma estrutura de educação a distância em uma empresa. Na realidade, assim como o uso da gamificação, mobile learning, entre outras tendências, a resposta correta é: depende.

Com esse artigo queremos ajudar você a ampliar sua visão na criação da estrutura de treinamento online na sua empresa. É importante ressaltar que vamos falar exclusivamente de capacitação online corporativa, auxiliando analistas e gerentes de treinamento e RH a melhorar a qualidade de sua decisão.

Logo, não vou conseguir ajudar em análises de LMS para os ambientes de faculdade, escola ou venda de cursos, tudo bem? A tecnologia é semelhante, mas a gestão, operação e motivação de quem aprende é totalmente diferente.

Fica aqui o primeiro alerta para plataformas que atendem todos os ambientes. Seria como levar para um mecânico de automóveis de passeio a manutenção de um caminhão que viaja o Brasil. A base é semelhante, mas a operação é totalmente diferente, e conversar com o especialista é sempre a melhor solução para não tomar a decisão errada e ficar no meio da estrada.

Vamos lá? Na sequência, listo quatro pontos importantes que você deve levar em consideração na hora de estruturar os treinamentos online da sua empresa.

1º Priorização da ação de treinamento online

Vamos imaginar como seria em 1960 a construção de uma ação de treinamento. Sem tecnologia online. Qual seria a prioridade na aplicação de um programa de capacitação corporativa?

Começava pelo “porque treinar” antes de tudo, os motivos e objetivos que se esperava alcançar com o treinamento, seguido de quanto seriam os gastos, quais funcionários seriam treinados, como os resultados seriam medidos e o conteúdo que seria aplicado. Por fim, depois de tudo isso, fazia-se a análise de local de treinamento e se haveria orçamento para café ou qualquer outro elemento para melhorar a experiência do funcionário.

Atualmente, com tecnologia, as prioridades devem ser as mesmas. Sim, as mesmas.

  1. Objetivos da empresa atendidos com o treinamento
  2. Investimento disponível
  3. Funcionários a serem treinados
  4. Conteúdo
  5. Operação
  6. Extras

 

A tecnologia veio para amenizar as barreiras de tempo e espaço, e o LMS entra no item de prioridade 5: Operação. As funcionalidades que permeiam um LMS que acrescentam na experiência do colaborador entram em Extras.

Gamificação, mobile, fórum, e diversas funcionalidades dos LMSs são muito legais, mas elas todas entram no item 6: Extras. É importante também saber que não existem pesquisas e respostas conclusivas sobre aumento de engajamento ao utilizar qualquer tipo de funcionalidade (como gamificação), porém, a motivação perante o treinamento (que pode ser fomentado com comunicação e objetivos claros) tem resultados comprovados.

Priorizar a implantação de treinamento, funcionalidades e tendências é igual priorizar o cinema perante a alimentação do dia a dia. No curto prazo não parece impactar, no médio prazo pode gerar problemas terríveis para a sua saúde. Porém, pode aumentar bastante a qualidade de vida se utilizado nos momentos certos.

2º Nível de Gestão: dados geram inteligência

Um dos principais benefícios da capacitação online corporativa é gerar dados e formatar relatórios da aprendizagem dos colaboradores de forma muito mais fácil que o treinamento presencial. Esses dados te ajudarão a comparar e gerar inteligência para ajudar a empresa em decisões estratégicas.

Se você está começando, é importante pensar que essa é a parte mais importante. Pois é com ela que você consegue justificar investimento, atender e garantir resultado de melhorias em aprendizagem e tomar decisões alinhadas com os objetivos da empresa. Sem métricas, não tem gestão, não tem melhoria, não se sabe o resultado.

Porém, é importante analisar qual o nível de gestão, e quais métricas sua equipe (ou EUquipe rs) realmente precisa levantar que vão te ajudar a levar a sua empresa para os objetivos dela. Em uma equipe de 100 ou menos pessoas, dados de conclusão e nota podem ser suficientes. Afinal, qualquer desvio você consegue resolver praticamente pessoalmente. A realidade muda quando sua equipe é muito maior – mas ainda assim, mantenha o foco nos objetivos da empresa.

Por exemplo, se o objetivo é aumentar vendas, analisar quantidade de interações no fórum não te ajuda em nada. É uma métrica-meio legal de ver, mas que gera pouco resultado para a empresa. O mesmo vai para métrica de hora de treinamento por colaborador por ano. Esse é um benchmark bem bonito, mas não garante que essas horas estão alinhadas com os objetivos da empresa, não é mesmo? Se o teu objetivo é aumentar vendas, você deve ir atrás de métricas que garantam que os funcionários aprenderam.

Lembre-se que aprendizagem não ocorre em um evento único. É necessário recorrência e intensidade para que qualquer pessoa aprenda efetivamente. Isso é melhor explicado neste curso gratuito aqui. Lá você vai entender melhor como funciona a Jornada de Aprendizagem do seu colaborador, distribuir seu orçamento para gerar o melhor resultado possível para empresa e, logo, melhores números para você apresentar para o seu gestor.

3º Aderência Cultural = mais engajamento

Essa é mais fácil. Você já tem algum lugar na sua empresa que as pessoas estão acostumadas a consumir conteúdo? Uma intranet, um centro de informações, um ambiente interno, uma rede social corporativa? Se já existe a cultura e costume de acessar um ambiente como esse, tire proveito e disponibilize seus primeiros treinamentos online lá.

Lembre-se que no final das contas, o importante é que você capacite o seu colaborador e gere dados que te ajudem a tomar decisões – e é bem fácil conseguir dados em ambientes como esses.

Esse é um ponto fundamental que pode te ajudar a aprender como sua empresa se relaciona com treinamentos online. Esse aprendizado vai te ajudar a otimizar seu investimento em uma plataforma no futuro, ou fazer melhorias na sua própria solução.

4º A importância do conteúdo

Essa é a parte que tende a ser subestimada na aplicação de treinamentos online. Pensando em cursos presenciais, o que motiva mais a escolha de um curso? A estrutura da sala, as vagas de estacionamento, o coffee break, ou o professor, a ementa do curso?

LMS é uma ferramenta de operação, equivalente a estrutura de uma escola. Conteúdo é equivalente ao professor. Uma aula do Mario Sergio Cortella, ou do Michael Porter na pracinha da esquina entrega muito mais valor do que uma brincadeira/jogo em uma sala de alguma universidade chique.

Então, jamais use mais de 30% do seu orçamento em uma plataforma, seja LMS, seja TI para adaptar uma intranet, construir um site ou o que for. Planejar a sua ação de treinamento envolve entender o objetivo e otimizar seu orçamento para alavancar a empresa. Falamos o passo a passo de como fazer isso neste artigo aqui.

Conclusão

Começar uma ação de treinamento online pode ser bem simples, e não necessita de um LMS. Escolher a ferramenta mais completa pode não ser a melhor solução se a sua curva de adaptação for enorme (e você utilizar menos de 20% da ferramenta). Priorize as decisões de sua ação conforme os objetivos da empresa, sempre. Todo restante vem depois. Foque no que importa de verdade!

Alinhe com seu gestor, diretor ou CEO da empresa objetivos desafiadores mas alcançáveis, e tire distrações do seu caminho. Desta forma você irá ganhar maior credibilidade para projetos maiores, aprenderá como dar os próximos passos e, o melhor, você irá alavancar a sua carreira.

João Romão

Defensor da quebra de paradigmas da educação de adultos e das construções sociais, para desenvolvimento pessoal e único. Além disso, faz uma ótima panqueca com Nutella, gosta de uma planilha e é CEO da Mobiliza.


Temas do blog



Dê sua contribuição